Enviado Por:Henrico Dalla Corte Carvalho

Glória, Glória, Aleluia

Você já votou!

Esta é uma história totalmente verídica e nada inventada. O relato a seguir trata de um assunto possivelmente aflitivo ou incômodo para algumas pessoas. Se você se impressiona com facilidade, sofre de problemas cardíacos ou só é fresco mesmo, é recomendado que você vá em frente, entre numa boa. Porque a vida é uma festa. Não controle, não domine, não modere. Deixe que a mente se relaxe, faça o que mandar o coração.

20 de agosto de 2019

O céu estava nublado.
Fui acordado à 7 horas da manhã pela minha mãe.
– Filho, vamo acordar? Tá na hora de ir pra escola.
Havia ido dormir muito tarde na noite anterior por conta de trabalhos procrastinados até o último minuto.
Fitei o teto, branco, e me levantei.
Fui para a cozinha. Tomei uma xícara de café com leite com cinco colheres de açúcar e comi um pão com margarina.
Fui para o banheiro. Urinei, lavei as mãos e escovei os dentes.
Peguei minha mochila e fui para a garagem.
Entrei no carro junto de minha mãe, que deu a partida e seguiu em direção a parada de ônibus.
Subi no ônibus. Sentei na janela.
Três esquinas depois, olho para o horizonte e digo para mim mesmo: não! Não como quem, em meio à sua petulância mundana de se achar algo além de um bit neste vasto e misterioso universo, exige. Não como quem manda na divindade suprema, na força que rege o espaço e o tempo. Não. Disse como quem suplica aos deuses. Se joga aos pés de seu mestre celestial e assume todos os seus erros, pede perdão, chora e esperneia.
Me senti pequeno. Teria a vida perdido o sentido? Teria a vida, algum dia, tido sentido? Foi neste momento, em meio ao existencialismo e gotas de suor que escorriam por minha testa em uma manhã de 6°C, que tudo parou. Meu corpo deu marcha à ré. O tempo começou a retroceder e senti que, em algum lugar do mundo, o Halls preto passava a ser, de fato, preto; um carioca e um paulista entravam em acordo quanto a terminologia de bolacha e biscoito; palmeirenses e corintianos faziam as pazes e se amavam.
Meu corpo entrou em sintonia com a natureza e foi nesse momento que, em meio ao meu ateísmo, soube que Deus olhava por mim e impediu que uma desgraça acontecesse. Seguiu-se a viagem; e minha cueca, branca. Tudo estava em seu devido lugar.

Histórias em Destaque

15/04/2021
Enviado por: Cintia Oller Cespedes
Eu sou formada em Gestão Ambiental e em 2012, quando eu estava no último ano da faculdade…
15/02/2021
Enviado por: Caio Corraine
Duas pessoas encontram o amor de suas vidas em situações completamente diferentes.

Último Podcast

Gugawiki é um projeto onde relatamos detalhes épicos e curiosidades dos episódios.

E aí? Curtiu esta história?

Você já votou!

Últimos Episódios do podcast

Assine o Gugacast

Se você gosta demais do Gugacast, pode se tornar um assinante!
Você terá acesso a conteúdos exclusivos e diários.

Todos os direitos reservados • Blog do Guga Mafra • Desenvolvido por Marks.art.br